Magie

O diario de uma garota Morbida

carta escrita no assoalho

O dia. O meu corpo é o fedor, é a catinga do submundo, imerso em desejos putrefez. Desejos de ambição, ódio e desespero. Desespero de busca, de morte e de dor. Sentimentos longes e inanimáveis. Eu sou uma garota na zona urbana, com a mente esquecida, coloco todas as lembranças debaixo da sola dos pés e mergulho na incansável busca pelo significado de minha natureza mórbida e insolente. Na busca de respostas por amar o inferno. Mais um dia no sanatório. Mais um dia em que maquino a saída de minha alma deste corpo moribundo.   Help Hell•

As vezes ne vejo do outro lado da rua… Minha perspectiva se rende ao vestir-me bem e ser destacada a minha maneira.

As vezes ne vejo do outro lado da rua… Minha perspectiva se rende ao vestir-me bem e ser destacada a minha maneira.

(Source: areumdw, via k-styled)

Cachaça e o sangue se torna insuportável ao corpo. Sucumbo.